7 de Abril: Dia Mundial da Saúde Bucal - Parte 2

Ações do serviço público e privado para a valorização da saúde bucal

7 de Abril: Dia Mundial da Saúde Bucal - Parte 2

A Pandemia despertou na população em geral uma maior preocupação e a uma consequente maior valorização da saúde em geral e a saúde bucal está neste contexto, o que deve gerar um aumento da procura por tratamento. Além do restaurar a função, a auto estima e a liberdade para sorrir pode ser o fator motivador da maior demanda.

 

De acordo com Dr. Artur Martini - chefe da Divisão Odontológica da Secretaria da Saúde de Ribeirão Preto, o serviço público tem implementando políticas pensando no bem estar e na autoestima do paciente dando estímulos para que ele cuide e tenha "orgulho de sua boca".

"As equipes de Atenção Básica estão empenhadas, capacitadas e aptas para encarar este desafio de devolver o sorriso e a autoestima dos pacientes. Os atendimentos estão retornando quase ao nível de antes da Pandemia, tudo isto para que seja dado o acesso a população para que tenham "Orgulho de sua Boca" esta é uma de nossas metas", frisa Martini.

Destaca que hoje a Dra. Andrea Domingues Ribeiro Toneto da Coordenadoria de Processos Coletivos e Preventivos em Odontologia, um ícone neste assunto, tem colaborado e muito para que os grupos de pessoas, dentre elas crianças, bebês e idosos tenham seus atendimentos garantidos e possam sempre valorizar a saúde bucal. Quanto aos já adultos, inclusive  com perdas de dentes, chegam aos CEOs carentes de cuidados para voltar a ter liberdade para sorrir.

"Para nós gestores de saúde bucal, seria muito importante, que estas pessoas não chegassem ao atendimento já com a Perda dentaria definida. Precisamos pensar em prevenção. Este é o mote e é assim que estamos direcionando o nosso pensamento. A pós pandemia está aí, e a retomada dos atendimentos é primordial pra população. Precisamos retomar a vida e encarar esse novo normal de frente. Com isso, rever  agendamentos, mudar protocolos, reativar modelos antigos e, quem sabe, novos de acesso aos pacientes, tudo isso com o norte dado sempre pela gestão maior, bem como com a colaboração da equipe, que  é excelente no âmbito da Odontologia em nossa Cidade", conclui o chefe da Divisão Odontológica. 

"As equipes de Atenção Básica estão empenhadas, capacitadas e aptas para encarar  este desafio de devolver o sorriso e a autoestima  dos pacientes"
ARTUR MARTINI

 

Atendimento na Unidade Central e no Posto de Saúde

Existem algumas características que diferencial os perfis de pacientes, afirma a Dra. Karen C.F. Veronese, que atua na unidade de especialidade chamado CRE Central e em Posto de Saúde.

Segundo Dra. Karen Veronese, no CRE CENTRAL o atendimento é somente de pacientes com moléstias infecto contagiosas - MI. Pessoas que convivem com o HIV, muitas vezes, ainda estigmatizados pela doença ou com várias outras comorbidades, muitos com hepatite c, diabetes, hipertensos, entre outras patologias.

"São pacientes muito preocupados com sua saúde geral e frequentes na assistência médica, enfatizando a busca da preservação de uma boa imunidade, o que configura em bem estar e não adoecimento. Muitos, na sua grande maioria, são 100% pacientes do SUS, com nível de médio a pouca escolaridade. Já na Unidade Básica de Saúde a realidade é um pouco diferente, pacientes de pouca escolaridade, muitos desses carentes e precisando do atendimento odontológico mais amplo", explica Dra. Karen Veronese.

"Muitos pacientes procuram os atendimentos corretivos, em sua grande maioria. Mas existem também aqueles preventivos, geralmente os mais jovens. O fator dor é um grande motivador. Mas como somos multiplicadores de saúde, sempre orientamos os pacientes quanto a importância do tratamento odontológico regular e preventivo", frisa ela.

Destaca que os pacientes, na sua grande maioria, são responsivos quanto as recomendações.

"Percebemos que quando se estabelece um vínculo profissional - paciente saudável, são bem cooperativos. Quanto a auto- estima, muitos dos pacientes mais carentes a apresentam baixa pelas dificuldades que enfrentam, muitas sociais e financeiras, mas, reitero, os agentes públicos "geradores de saúde" podem contribuir para a mudança desta realidade com estratégias humanizadas de atendimento,  os  agentes comunitários de saúde e os cirurgiões-dentistas, seja no programa de saúde da família,  como nas unidades básicas de saúde", conclui a cirurgiã-dentista.

"Como somos multiplicadores de saúde, Sempre orientamos os pacientes quanto a importânciado tratamento odontológico regular e preventivo"
KAREN VERONESE

 

O estímulo a prevenção nos consultórios particulares

 

A implantodontia, colocada ao alcance da população, desde o início da década de 80, através dos pinos ou parafusos de titânios implantados no osso do paciente, hoje é o tratamento mais moderno para reparar a perda dos dentes. Eles permitem a colocação das próteses fixas e os pacientes recuperam o "orgulho de sua boca".

De acordo com Rafael Faeda, implantodontista, mestre e doutor em Periodontia, professor do Curso aperfeiçoamento e especialização em Implantodontia da APCD-RP, a implantodontia tem sido fundamental para a recuperação da autoestima dos pacientes com perdas de dentes, restaura a função e a estética, proporcionando uma melhor qualidade de vida.

Nos dois últimos anos, segundo ele, a frequência aos consultórios particulares, de um modo geral, foi atípica, devido a pandemia, a demanda ficou represada, não só devido ao recomendado distanciamento social como pelas dificuldades financeiras consequência da interrupção de muitas atividades profissionais. Isso impactou na saúde bucal das pessoas, entretanto, a crescente demanda pelos implantes e procedimentos de Periodontia, foi retomada à medida que a população foi tendo acesso a vacinação e as oportunidades de retorno ao trabalho.

"O fluxo de pacientes tem sido significativo, pacientes com fraturas dentárias e outras complicações decorrentes do estresse dos dias atuais, além do implante antes já idealizado, entretanto, postergado para momento adequado", comenta Faeda.

Ressalta que devido a essa experiência da Pandemia a população está valorizando muito mais a saúde de modo geral e a saúde bucal.

"Hoje as pessoas estão conscientes de como é importante cuidar da sua boca para preservar a saúde, estão investindo nisso.  Principalmente os  idosos estão buscando mais os implantes, querendo mais qualidade de vida e bem estar", pontua.

Salienta fazer parte do protocolo as orientações quanto aos cuidados e 'o retorno periódico ao consultório para avaliação e preservação dos implantes e da saúde bucal.

"Como professor sempre incentivo os alunos, multiplicadores  de nossas ações, a estimular  a  prevenção e preservação dos procedimentos, e como clínico oriento  e estimulo os pacientes aos auto cuidados para que continuem tendo "orgulho de suas bocas", frisa Dr. Rafael Faeda.


"Hoje as pessoas estão conscientes de como é importante cuidar da sua boca para preservar a saúde, estão investindo nisso.  Principalmente os  idosos  estão buscando mais os implantes, querendo mais qualidade de vida e bem estar"
RAFAEL FAEDA 

Publicado em 08/04/2022.

APCD Ribeirão Preto

(16) 3630-0711

Avenida do Café, 1080 - Ribeirão Preto (SP)
Ops... Preencha corretamente o formulário.
Obrigado! Seu formulário de inscrição foi encaminhado com sucesso.